Pular para o conteúdo principal

'Chegar a' ou 'Chegar em'?

A primeira forma é a correta. O verbo “chegar” rege a preposição a (Cheguei a Santos). Embora seja muito comum, “chegar em” é coloquialismo, portanto, é inadequado na escrita. A única exceção para o uso de “chegar em” é quando há referência a tempo (Chegar em cima da hora).

Comentários

Multi-Karr disse…
Nada disto. Depende de onde se fala, se estou em santos digo que chegar em, se estou em sao paulo direi chegar a santos. o verbo aceita as duas regencias.
Eduardo Ferreira disse…
Se você chegar na cidade de São Paulo com a cidade de Santos, poxa, trabalhão arrastar uma cidade inteira contigo, hein!? Você pode chegar "em" um carro
"à" cidade de São Paulo. Mas chegar a uma cidade levando a outra consigo é querer demais! hehehe
Eduardo Ferreira disse…
Você até pode chegar "à" cidade de São Paulo "em" um carro. Mas chegar "em" Santos "à" São Paulo... vai ser muito foda de sua parte. Arrastar uma cidade inteira para outra. rs
Eduardo Ferreira disse…
Você até pode chegar "à" cidade de São Paulo "em" um carro. Mas chegar em Santos à São Paulo... não creio que seja fisicamente, geologicamente e nem humanamente possível.

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".