Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2007

Este, esse e aquele

1. Com relação ao discurso, usamos “este” para o que vai ser mencionado. Ex.: Este é um verso de Fernando Pessoa: “Navegar é preciso; viver não é preciso”. Para o que se mencionou antes usamos “esse”. Ex.: Ela ganhou R$ 10 mil e doou essa quantia à entidade. Entre dois ou três fatos citados, usamos “aquele” para o primeiro que foi citado, “esse” para o do meio e “este” para o último. Ex.: Algumas das maiores cidades do mundo são Tóquio, Seul e São Paulo; esta fica no Brasil, essa, na Coréia do Norte e aquela, no Japão.

2. Quanto ao lugar, usamos “este” quando se refere ao espaço próximo de quem fala. Já “esse”, usamos quando se refere ao espaço próximo de quem ouve. Por fim, usamos “aquele” quando se refere a um espaço afastado de quem fala e de quem ouve.

3. Com relação ao tempo, usamos “este” para um ano ou um mês em curso, para o dia de hoje, portanto, para o tempo presente. Já “esse”, usamos para fazer referência a um passado ou futuro próximos e “aquele” para um passado distante.

'Re-uso', 'Reuso' ou 'Reúso'?

A terceira forma é a correta. Não tem hífen, mas o acento se faz necessário para que a leitura seja feita corretamente. Explicando melhor: “u” é a sílaba tônica (“re-ú-so”). Se não fosse acentuado, para marcar o hiato, a leitura tenderia a ser “reu-so”, como um ditongo – teria a mesma leitura de “deusa” (“deu-sa”). Reúso significa uso repetido, novo uso, reutilização. Tem sido empregada em relação a recursos hídricos – reúso da água.

'Meu bebê' ou 'Minha bebê'?

As duas formas estão corretas. “Bebê” é um substantivo de dois gêneros. Isso significa que podem ser usados os artigos masculino e feminino, embora no Brasil esta palavra seja mais comumente empregada no masculino. Este caso é o mesmo de “ídolo”, substativo igualmente comum-de-dois, já comentado por esta coluna.

'Bom dia' ou 'Bom-dia'?

As duas formas estão corretas, mas são usadas de formas diferentes. “Bom dia” é escrito sem hífen quando é um cumprimento. Ex.: “Bom dia, pai” e “Bom dia a todos”. Já “bom-dia” é um substantivo composto e tem o sentido de “um cumprimento”. Como tal, pode ser precedido de artigo ou pronome. Ex.: “O bom-dia dele foi animado” e “Deu-nos aquele bom-dia de sempre”. O mesmo vale para “boa tarde” e “boa noite”.

'Com relação a' ou 'Em relação a'?

As duas formas estão corretas, mas são usadas em diferentes casos. A expressão “com relação a” deve ser usada para introduzir algum assunto. Ex.: “Com relação ao aquecimento global, é preciso tomar medidas para reduzir seus efeitos”. Já “em relação a” introduz a idéia de comparação e geralmente aparece em frases que abordam números. Ex.: “O PIB deste ano aumentou em relação ao de 2006”.

'Voto minerva' ou 'Voto de Minerva'?

A segunda forma é a correta. Minerva era a deusa romana da sabedoria, das artes e das ciências, correspondente à deusa grega Atena. “Voto de Minerva” é o voto decisivo de desempate proferido por Atena quando do julgamento de Orestes, na mitologia. Esse tipo de voto também é conhecido como “voto de qualidade”.

'Ele freou' ou 'Ele freiou'?

A primeira forma é a correta. No pretérito perfeito, os verbos terminados em -ear não apresentam a letra “i” na flexão do verbo em nenhuma pessoa. Veja: freei, freaste, freou, freamos, freastes, frearam. Há outros exemplos de verbos terminados em -ear, como “estrear”, “passear”, “recear”, “basear”. Ex.: “O carro freou bruscamente”; “Passeei com minha amiga”; “Eles recearam não ter ficado por mais tempo na festa”.

'Implantar' ou 'Implementar'?

As duas formas estão corretas, cada uma com seu sentido. “Implantar” significa introduzir, inaugurar, iniciar. Ex.: “O banco implantou uma central de atendimento aos surdos”. Já “implementar” tem por significado pôr em execução, pôr em prática algum plano ou idéia. Ex.: “É preciso implementar um programa de reflorestamento na região”.

'O moral' ou 'A moral'?

As duas formas estão corretas, mas é bom deixar claro que o sentido da palavra moral muda em cada caso. No masculino, “moral” significa estado de espírito, coragem. Ex.: “Elogios sempre elevam o moral dele” e “Ele é um homem de grande moral”. Já no feminino, “moral” refere-se principalmente ao conjunto de valores que norteiam as relações sociais e a conduta dos homens. Ex.: “Defendo a moral e os bons costumes”.

'A sargento' ou 'A sargenta'?

A primeira forma é a correta e a mais usual, mas a segunda não está errada. Existe no português a forma sargenta, mas ela não foi adotada pelas Forças Armadas (optaram por empregar o nome do posto tanto para os homens quanto para as mulheres). Assim, a diferenciação entre masculino e feminino é feita pelo artigo: o sargento, a sargento.

'Colomba pascal' ou 'Colomba pascoal'?

As duas formas estão corretas. O que é referente à Páscoa pode ser chamado pascal ou pacoal, conforme aponta o dicionário “Houaiss”. Por falar em Páscoa, lembramos que o dicionário também registra algumas palavras relacionadas a essa época do ano com letra maiúscula, como Quaresma, Semana Santa, Domingo de Páscoa. Aproveitamos para deixar os votos de uma boa Páscoa a você, leitor.

'Capítulo dois' ou 'Capítulo segundo'?

A segunda forma é a correta. Se o numeral vier depois do substantivo, ele deve ser empregado na forma ordinal (primeiro, segundo etc.) até o décimo e, a partir disso, na forma cardinal (onze, doze etc.). Ex.: Volume II (segundo) e Luís XV (quinze).J á se o numeral vier antes, o ordinal será usado sempre. Ex.: 35º DP (trigésimo quinto).

'O grafite' ou 'A grafite'?

A segunda forma é a correta. O que chamamos de grafite é um bastão de grafita que fica dentro dos lápis ou que se ajusta às lapiseiras. O dicionário “Houaiss” recomenda que se use a forma “grafita” porque esse é o nome da variedade do carbono usada industrialmente para fabricar os lápis. Assim, o correto é “a grafite” justamente porque trata-se da pedra chamada “grafita”, cujo gênero é feminino.