Pular para o conteúdo principal

Este, esse e aquele

1. Com relação ao discurso, usamos “este” para o que vai ser mencionado. Ex.: Este é um verso de Fernando Pessoa: “Navegar é preciso; viver não é preciso”. Para o que se mencionou antes usamos “esse”. Ex.: Ela ganhou R$ 10 mil e doou essa quantia à entidade. Entre dois ou três fatos citados, usamos “aquele” para o primeiro que foi citado, “esse” para o do meio e “este” para o último. Ex.: Algumas das maiores cidades do mundo são Tóquio, Seul e São Paulo; esta fica no Brasil, essa, na Coréia do Norte e aquela, no Japão.

2. Quanto ao lugar, usamos “este” quando se refere ao espaço próximo de quem fala. Já “esse”, usamos quando se refere ao espaço próximo de quem ouve. Por fim, usamos “aquele” quando se refere a um espaço afastado de quem fala e de quem ouve.

3. Com relação ao tempo, usamos “este” para um ano ou um mês em curso, para o dia de hoje, portanto, para o tempo presente. Já “esse”, usamos para fazer referência a um passado ou futuro próximos e “aquele” para um passado distante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.