Pular para o conteúdo principal

Que dia é hoje?

Embora seja uma pergunta do cotidiano de todos nós, formular a resposta pode nos deixar com a seguinte dúvida: hoje é 28 ou hoje são 28? Adiantamos, desde já, que as duas formas são corretas, só depende de como entendemos a pergunta e montamos a resposta. Vamos entender como isso funciona.

1. “Hoje são 28”
Essa é a construção preconizada pelos conservadores e corresponde a outra mais desenvolvida: “hoje são (passados) 28 (dias do mês) de janeiro”. Como nessa oração não há sujeito (“hoje” não é sujeito, e sim advérbio), o verbo “ser” concorda como predicado, “28 de janeiro”, que é plural.
2. Hoje é 28
Também está correta essa construção. Nesse caso, está subentendida a expressão “o dia”, por isso se justifica o verbo ser no singular: “hoje é (o dia) 28 de janeiro”. Essa oração equivale a “hoje é o 28º dia do mês de janeiro” – a diferença é que na primeira oração o numeral cardinal (28) substitui o ordinal (28º).
3. Na verdade todo o problema se resume na concordância do verbo “ser”. Em ambas as construções não há sujeito, portanto, a concordância deve ser feita com o predicado. Se se supuser a palavra “dia” antes do numeral, “ser” virá no singular (“hoje é 28”), caso contrário, o verbo deve vir no plural, concordando como predicado plural (“hoje são 28”).

Comentários

Unknown disse…
E na hora de perguntar que dia do mês é, é certo perguntar; hoje sao quanto?
Acredito que não faria muito sentido a pergunta "hoje é/são quanto?". Quanto o quê?
Talvez por isso nós perguntamos "que dia é hoje do mês?" ou "hoje é que dia do mês?".

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".