Pular para o conteúdo principal

Fui eu que fiz

“Foi eu que fiz”, “Fui eu que fiz” ou “Fui eu quem fez”? Esses tipos de construção sempre nos deixam em dúvida nos piores momentos, geralmente na hora da fala. Mas a notícia é boa: duas das três formas estão corretas. Vamos analisar as estruturas uma por uma e entender como isso funciona.

1. Comecemos pela forma que está incorreta: “Foi eu que fiz”. O erro está na concordância do verbo “ser” porque está conjugado na terceira pessoa, quando deveria estar na primeira pessoa, concordando com “eu”.
2. Agora que já sabemos que o início será sempre “fui eu”, temos de escolher entre dois pronomes: “que” ou “quem”.
3. Em “fui eu que fiz”, o “que” retoma o sujeito da primeira oração (“eu”), portanto, a concordância do verbo “fazer” também deve ser na primeira pessoa (“eu fiz” – “que fiz”). No caso de plural, teremos “fomos nós que fizemos”.
4. Já em “fui eu quem fez”, temos o pronome “quem”, que é da terceira pessoa do singular, portanto, o verbo também deve estar conjugado na terceira pessoa: “quem fez”.
5. É importante ressaltar que a concordância com o pronome “quem” sempre será feita no singular, mesmo que a primeira oração seja plural. Exemplo: “fomos nós quem fez”. Essa construção é gramaticalmente correta, embora nos pareça muito estranha e não a usemos em situações de fala.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".