Pular para o conteúdo principal

Natal

Chegou o Natal. E esta coluna de língua portuguesa não poderia deixar de contar como essa palavra tão lida, escrita e dita chegou à nossa língua e em que contextos é usada.
Natal é uma palavra de origem latina. Em latim, havia a expressão “dies natalis” ou “natalis”, que significava o dia de nascimento de alguém. A forma reduzida “natalis” passou por uma mudança fonética (de som) ao longo do tempo e chegou à língua portuguesa como natal.
Os dicionários a registram como adjetivo e como substantivo.
1. Como adjetivo, natal é o que é relativo ao nascimento (terra natal).
2. Como substantivo, significa o dia do nascimento ou um cântico natalino de origem medieval.
Escrito com letra maiúscula, Natal refere-se à festa do nascimento de Jesus, celebrada no dia 25 de dezembro pela Igreja Católica.
A palavra natal (com minúscula) deu origem a pré-natal, pós-natal, neonatal e natalício. Já Natal (com maiúscula) originou o adjetivo natalino, que significa o que é relativo ao Natal. Falando nisso, Feliz Natal!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".