Pular para o conteúdo principal

Braço direito ou braço-direito?

A primeira forma é a correta. Essa locução e não tem hífen. Ela se refere ao principal e eficaz auxiliar de alguém. Ex.: Aquele assessor é o braço direito do vereador. Um sinônimo é braço forte, que significa, além de braço direito, pessoa valente e decidida. Outra locução sem hífen é saia justa, aquela situação que, vez ou outra, acontece a alguém.

Comentários

MESTRE disse…
Boa tarde!
Prezada professora Telma:
Apesar de não ser professor, mas um cultor de nosso idioma, discordo da senhora nos dois exemplos citados: BRAÇO-DIREITO e SAIA-JUSTA. Nos dois casos, MUDOU-SE LITERALMENTE o significado original. Sendo assim, formou-se novos vocábulos, com significados TOTALMENTE DIFERENTES e consagrados pelo uso. Por isso, eu ACHO que nos dois casos O HÍFEN é um FATOR DE DESAMBIGUAÇÃO, além de dar CLAREZA para que l~e e interpreta.
Cordialmente,
José Carlos Lourenço
Meu e-mail, querendo retornar com a sua resposta: ze_lourenco19@yahoo.com.br
Grato.
Boa tarde, José Carlos.
O senhor discorda do dicionário Houaiss e do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa – Volp, elaborado pela Academia Brasileira de Letras. Essas eram, em 2007 – data desta postagem –, minhas principais fontes de pesquisa; e ainda são. Nelas, mesmo depois do Novo Acordo Ortográfico, ainda não há o registro de braço-direito e saia-justa; pela norma padrão, são, ainda, locuções, não palavras compostas. Com o sentido que conhecemos mesmo, embora pareça que a significação já tenha mudado a ponto de se justificar o hífen.
Pelo meu entender, o hífen seria justificado, para caracterizar palavra composta, não como fator de desambiguação, enfim. Como o assunto era (e ainda é) polêmico, haja vista sua indignação com as obras de referência da língua portuguesa no Brasil, eu trouxe nessa postagem o esclarecimento de que, para quem quer escrever de acordo com as normas, não há hifen (ainda) nessas locuções.
Para fazer sua consulta ao Volp, acesse http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=23 e digite "braço" ou "saia". Já encontramos lá "braço-forte", que o Houaiss ainda registra sem hífen.
Para o Houaiss eletrônico, é preciso ser assinante UOL, então trago aqui o que consta lá:
b. direito fig.
principal e eficaz auxiliar; braço forte
‹ o filho é seu b. direito na empresa ›
s. justa B infrm.
situação embaraçosa, desconcertante; saia curta
‹ as denúncias de corrupção provocaram uma s. justa entre os assessores ministeriais ›
Qualquer dúvida, escreva novamente!
Obrigada pela contribuição :)
Att.,
Telma Iara Mazzocato
JG Costa disse…
Minha cara Professora,

Escrevo bastante, corrijo textos e sempre busco os termos corretos na Web. Na minha opinião a nossa língua portuguesa é uma das mais lindas existentes, mas essas revisões, para nós que somos do século passado, tende mais a confundir do que do padronizar. Que acha a professora.

Ah, vim aqui pesquisando a palavra braço direito e vou usar a sua recomendação.

Abraços renovados na cultura!

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".