Pular para o conteúdo principal

Os porquês

Na hora de escrever, uma das maiores dúvidas está no uso dos porquês. E não é para menos, já que são quatro formas diferentes: junto, separado, com acento e sem acento. Para acertar, precisamos pensar no contexto da frase. Há dicas que ajudam a escolher a forma correta. Vamos entender como isso funciona.

1. “Por que” (separado e sem acento) é usado em dois casos. Quando equivale às expressões “pelo(a) qual”, “pelos(as) quais”: “São lindos os caminhos por que (= pelos quais) passei”. E quando equivale a “por que razão”, “por qual razão”: “Por que (= por que razão) não temos uma sociedade mais justa?”.

2. “Porque” (junto e sem acento) introduz explicação ou causa do que se afirma: “Vou porque estou animada”.

3. Importante: não é a presença do ponto de interrogação que decide se é junto ou separado. Em “Você não foi porque estava doente?”, o que se pergunta não é por que a pessoa estava doente, mas, sim, se a doença foi o motivo da ausência.

4. “Por quê” (separado e com acento) é usado quando a oração termina com esta palavra: “Ele fez isso por quê?”; “Ele não vai, e não sei por quê”. É separado porque equivale a “por qual razão” (“Ele fez isso por qual razão?”). O “quê”, sendo um monossílabo tônico terminado em “e”, é acentuado.

5. “Porquê” (junto e com acento) é um substantivo e significa “motivo”, “causa”: “Não entendemos o porquê (= o motivo) da demissão dele”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".