Pular para o conteúdo principal

Mau e Mal

Quem nunca foi pego pela dúvida na hora de escrever essas palavras que têm a mesma pronúncia? Onde usamos uma e outra? Elas têm o mesmo sentido? Fica muito fácil eleger a forma certa em cada contexto depois que passamos a conhecer suas funções e seus significados. Vamos entender como isso funciona.

1. “Mau”, como adjetivo, atribui uma característica ao substantivo que acompanha. Ele pode se flexionar em gênero (“menina má”) e número (“más companhias”, “maus tempos”). “Mau” também pode se substantivar (“os maus serão punidos”) e, da mesma forma como o adjetivo, se flexionar.

2. “Mal”, como advérbio, acrescenta uma característica de modo a alguns adjetivos ou ao verbo que acompanha (“mal educado” e “dormiu mal”). Como conjunção, liga orações e equivale a “tão logo”, portanto, traz uma idéia de tempo (“mal chegou, quis sair”). Quando vem antecedido por um artigo ou pronome, expresso ou subentendido, “mal” torna-se substantivo (“lutamos contra o mal” e “desse mal não sofro mais“).

3. Depois do exposto, podemos perceber que, embora tenham o aspecto negativo por semelhança, essas duas palavras têm funções diferentes e por isso não podem ser confundidas.

4. Se ainda restarem dúvidas, uma dica para saber qual forma escolher na hora de escrever é: “mau” opõe-se a “bom” e “mal” opõe-se a “bem”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".