Pular para o conteúdo principal

'Haver' como verbo impessoal

“Haver” é um verbo complexo da língua portuguesa. Veja como ele gera dúvida: “havia pessoas na sala” ou “haviam pessoas na sala”? Isso porque ele não se comporta como a maioria dos verbos. O sentido em que é empregado determina se ele é ou não impessoal. Vamos entender como isso funciona.

1.Verbo impessoal é o tipo de verbo que não tem sujeito. Não há sujeito com quem concordar. Por isso, ele é sempre conjugado na terceira pessoa do singular. O verbo “haver” é considerado impessoal quando tem o sentido de “existir”, “ocorrer” e “acontecer”. Exemplo: “havia pessoas na sala”.
2. No entanto, é importante ressaltar que os verbos “existir”, “ocorrer” e “acontecer” não possuem essa peculiaridade de ser impessoal como o verbo “haver”. Isso quer dizer que esses verbos têm de ir para o plural quando o contexto da oração exigir. Exemplos: “existiram ações suspeitas”, “ocorreram casos de doença”, “aconteceram muitos shows na minha cidade”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.