Pular para o conteúdo principal

Vende-se casas

Em 2006, esta coluna deu a seguinte explicação para esclarecer uma dúvida comum: “vendem-se casas” ou “vende-se casas”?

1. A norma culta da língua considera “casas” como o sujeito de “vendem-se” na sua forma passiva “casas são vendidas”. Por isso, verbo no plural.

2. A nossa língua falada elegeu a forma “vende-se casas”. Entende-se que alguém vende as casas. O verbo fica no singular.

A conclusão: as duas formas são usadas, cada qual em seu contexto. No entanto, cada vez mais aumenta o número de especialistas que justificam o uso correto do verbo no singular para essa construção. Veja:

Em “vende-se casas”, “casas” é objeto do verbo “vender”. A regra mais geral é que o verbo concorda com o sujeito, não com o objeto.

O sujeito de “vende-se casas” é indeterminado, no sentido de que não é expresso. O pronome “se” marca essa indeterminação do sujeito. Assim, o verbo fica no singular.

A oração é ativa e é escrita, lida e analisada como tal. Portanto, escreva corretamente no singular.


Obs.: Leia o texto de Sírio Possenti sobre esse assunto. Clique aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.