Pular para o conteúdo principal

Vendas e locações

A atividade do mercado imobiliário pode ser considerada um reflexo da situação econômica. Quando esse mercado está aquecido, a economia vai bem e vemos pelas ruas muitas placas de vendas e locações. Cada uma escrita de um jeito. Daí a dúvida: “Vende-se casas” ou “Vendem-se casas”? Vamos entender como isso funciona.

1. Neste caso, desfazer a dúvida é bem simples: basta colocar a oração na ordem direta. “Casas são vendidas”, logo, notamos que “casas” é o sujeito da oração na voz passiva e por isso o verbo deve ir para o plural, concordando com o sujeito. O mesmo vale para “alugar”.

2. Essa é uma exigência da gramática normativa, mas...

3. O uso popular é este: “conserta-se relógios” e “aluga-se quartos” – isso porque as pessoas sentem a construção como na voz ativa, com um sujeito ativo (“alguém vende casas”) e não com um sujeito passivo (“casas são vendidas”).
Entretanto, embora essas formas no singular já tenham sido muitas vezes documentadas em textos de bons autores, a gramática normativa, os vestibulares e outros concursos exigem o verbo no plural.

4. Então, não se trata de uma questão rigorosa de certo ou errado, e sim de adequação ou nível de formalidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".