Pular para o conteúdo principal

Modismos

Toda língua falada constitui um sistema em constante mutação. Isso porque todos os dias novas palavras e expressões são incorporadas na fala e muitas delas viram modismos, como aconteceu com “a nível de”, condenada pelos gramáticos, porém muito usada hoje em dia. Vamos entender como isso funciona.

1. Pelo fato de não ter um significado consistente e ser desnecessária para o entendimento do que se diz, os gramáticos condenam o uso de “a nível de”. É considerada uma “muleta” para se expressar, talvez com a intenção de parecer mais erudito, mas o resultado é, sem dúvida, uma falsa sofisticação.

2. Agora, sabendo que essa locução não é aceita pela norma culta, vejamos alguns contextos em que ela é utilizada e como pode ser substituída.

3. Com sentido de abrangência: “O projeto será implantado a nível mundial” - “terá abrangência mundial”. Para expressar status: “As mudanças serão feitas a nível presidencial” - “serão feitas na presidência”. Para referir-se a um tópico: “A nível de repertório, o CD é ótimo” - “o repertório do CD é ótimo”.

4. Como vimos, seu uso não é considerado erro, mas é altamente condenado. Não é difícil substituir essa expressão, já que ela é vazia de significado. Pratique!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".