Pular para o conteúdo principal

Saudações

Todas as cidades, especialmente as turísticas, desejam receber bem seus visitantes. Na entrada de muitas delas, lemos algumas saudações que “assustam” o visitante pela forma como são escritas. Bem vindo, bemvindo ou bem-vindo? Com ou sem crase no “a” que vem depois? Vamos entender como isso funciona.

1. Para receber bem, a saudação é “bem-vindo”. O advérbio “bem” passa a ter valor de prefixo, e, como tal, para se ligar à palavra seguinte, precisa do hífen na formação de uma palavra composta. Seu plural fica assim: “bem-vindos”. É bom lembrar que a forma “Benvindo” serve somente para nome de pessoas.

2. Agora, “bem-vindo a” ou “bem-vindo à”? A crase, como já sabemos, ocorre na presença da preposição “a” e do artigo “a(s)”. Deste modo, se a palavra que vier depois for feminina e precisar de um artigo, haverá crase. Exemplo: “Bem-vindo à Bahia!”. Se a palavra for masculina e também pedir o artigo, ficará assim: “Bem-vindo ao Rio Grande do Sul!”.

3. Se a palavra não precisar de um artigo, teremos somente a preposição, portanto, não haverá possibilidade de crase. Exemplo: “Bem-vindo a Águas de Lindóia!”. Este caso é o mais comum para os nomes das cidades, sem artigo, logo, sem crase.

4. Sabendo de tudo isso, já podemos receber com boas-vindas sem escorregar no português.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".