Pular para o conteúdo principal

Idéias a favor ou contra

Em campanha, ouvimos um político dizer que suas idéias vão “de encontro ao” que o povo deseja, enquanto outro diz que suas ações vão “ao encontro do” que todos querem. Estas expressões têm sentidos opostos. Quem acertou ao falar sobre seu programa de governo? Vamos entender como isto funciona.

1. “De encontro a” tem o sentido de oposição, de choque. Quando se diz que um carro foi de encontro a outro, significa que ele chocou-se com outro. Sendo assim, os políticos que usam esta expressão equivocam-se, afinal, nenhum deles quer que suas obras sejam contrárias aos desejos do povo.

2. “Ao encontro de” tem o sentido de aproximação, usamos para designar uma situação favorável. Portanto, os políticos que usam esta expressão para afirmar que suas ações favorecem a população estão corretíssimos.

3. Infelizmente, o caráter de um político não pode ser medido pelo erro ou acerto no uso destas expressões, mas sim pelos atos ao longo de sua vida pública. Daí a importância de estarmos sempre atentos às atitudes dos candidatos para fazermos a escolha certa na hora de votar. Ciente da importância do voto responsável, o BOM DIA divulga, com a campanha “Cuidado com o seu voto”, o histórico dos candidatos para auxiliar o eleitor a escolher seus representantes na Assembléia e na Câmara dos Deputados. Assim, a dica de hoje é também a de que precisamos nos informar para votar com segurança!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".