Pular para o conteúdo principal

Que tal e quetais

“Quetais. Essa palavra existe?”
Na hora, pensei que tinha faltado um espaço, seria “que tais”. Ainda assim soava estranho. Sempre ouvi “que tal”, e como uma pergunta.
Fui verificar na internet se essa palavrinha era usada. Para meu espanto, há quase 10 mil “quetais” em sites diversos. Sim, fiz uma busca no Google. Depois, meu caminho foi ir aos dicionários. Nenhum deles me apresentou uma solução, mas o “Houaiss” chegou perto.
No verbete “tal”, há a locução “que tal”, com dois significados.
Um é o uso para pedir a opinião do interlocutor (exemplo: pensei em cinema, que tal?).
O outro está com o sentido de “da mesma espécie, forma, natureza”. Exemplo: o grupo era formado por PSB, PC do B e outros que tais. “Que tais”, no plural e com espaço. Não “quetais”.
Como visto, o dicionário já registra o uso, mas a grafia é “que tais”. Assim, mesmo lendo muitos “quetais” por aí, é bom saber que a forma correta na norma culta da nossa língua ainda é com espaço.

Comentários

No Livro "Dentro de 1 Livro" ed. Casa da Palavra (2005), o autor João Paulo Cuenca no conto "No hay banda" ele usa: "...projeto literário e quetais". aliás, o livro é ótimo.
mota disse…
ouvi pesquisei e cai aqui no seu Blog... Parabéns
Não, meus amigos.
A grafia correta é com hífen: QUE-TAIS, por ser 'algo' específico, com valor único.
É como o doce pé-de-moleque -- vale uma paralela, uma analogia ou vamos ficar blá-blazeando até 'algum-alguém' chutar-o-balde?
Abraços.
Fausto AMARAL DE BARROS

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".