Pular para o conteúdo principal

Qüiproquó

De pronúncia e grafia estranhas e difíceis, qüiproquó é palavrinha conhecida de muita gente. É a confusão causada por um engano.

Confusões à parte, sua origem é um tanto quanto curiosa.

O dicionário “Houaiss” marca o primeiro registro dessa palavra na língua portuguesa no ano de 1697. Veio do latim “quid pro quo”, que significa “uma coisa pela outra”.

No contexto dessa época, “quid pro quo” era o nome dado a um livro que os boticários tinham para pesquisar uma droga na falta de outra. E não era raro acontecer de se confundir na troca, podendo ser vendido veneno no lugar de remédio. Daí o engano.

Do significado primeiro de “livro que existia nas farmácias para indicar as substâncias que deveriam substituir as receitadas pelo médico, caso a farmácia não as possuísse”, derivou, por extensão de sentido, para engano, equívoco, “erro que consiste em tomar-se uma coisa por outra”. Por fim, chegou, por metonímia, ao sentido de “confusão criada por esse engano”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.