Pular para o conteúdo principal

Níver e químio

Algumas palavras da língua portuguesa sofreram redução ao longo do tempo.
Um caso clássico é pneu, redução de pneumático. Pneu consta no dicionário como sinônimo de pneumático e, aqui no Brasil, também dá nome àquela gordura excessiva que se localiza na cintura.
Duas palavrinhas – níver e químio – podem estar no mesmo caminho de pneu, mas ainda nos primeiros passos: amplo uso na fala, mas ainda não registrado pela norma culta.
É fato que níver, redução de aniversário, e químio, redução de quimioterapia, estão na fala dos brasileiros, e já vão um pouco além.

1. Uso
Em blogs, níver é comum como qualquer outra palavra. Químio, apesar de ter uso mais restrito por ser um termo “técnico”, já pode ser lida em textos da imprensa.
2. Ortografia
Níver, palavra paroxítona terminada em “r”, como mártir e revólver, recebe acento na sílaba tônica. Químio, de separação silábica quí-mi-o, tem acento por ser proparoxítona.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.