Pular para o conteúdo principal

Mais bem feito

Oposição básica que aprendemos na escola: bem é antônimo de mal e bom, de mau.
Também fomos ensinados que devemos escrever “melhor” em vez de “mais bem” e “mais bom”. O mesmo vale para “mais mal” e “mais mau”, que vira “pior”. Exemplos: Fui bem na prova de matemática, mas meu irmão foi melhor. Já no teste de português ele foi pior.
Sabendo como chegamos nas palavras “melhor” e “pior”, temos consciência de que não devemos escrever “mais melhor” e “mais pior”. Até aqui tudo bem. Agora, e os casos em que lemos “mais bem feito”, por exemplo? Seria erro? Nem sempre.
Diz a regra que, quando os advérbios “bem” e “mal” vêm antes de um particípio, eles não se contraem com o “mais” que os antecede. Temos, assim, “trabalho mais bem feito”, “peças mais bem colocadas”.
No entanto, hoje já se admite o uso de “melhor” em construções como essas. Ex.: O time melhor colocado recebeu elogios.
Para fazer a melhor escolha, use o ouvido e o bom senso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.