Pular para o conteúdo principal

Paralelismo

Recentemente, foi publicado o seguinte título em uma matéria do BOM DIA:
“Preparo profissional e estimular senso crítico são metas”
Falta a ela paralelismo. A simetria no emprego de palavras e estruturas gramaticais garante o paralelismo.
Ele pode estar no uso do artigo. Se escrevemos uma seqüência de palavras, ou colocamos artigo em todas ou em nenhuma. Exemplos: “comi salada e carne”, “comi a salada e a carne”. A falta de paralelismo está em “comi salada e a carne”.
Essa regrinha de ouro também se aplica a vários momentos do texto, como nos casos de regência verbal.
Vamos analisar a falta de paralelismo do título citado anteriormente.
Dois itens são metas: preparo profissional e estimular senso crítico. O primeiro é o preparo, substantivo; o outro, estimular, verbo. Para adequar o título, há duas possibilidades: dois substantivos ou dois verbos. “Preparo profissional e estimulação/estímulo do senso crítico são metas” ou “Preparar para profissão e estimular senso crítico são metas”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.