Pular para o conteúdo principal

Salário mínimo ou salário-mínimo?

As duas formas existem.
Salário mínimo (substantivo + adjetivo) é a menor remuneração mensal que o empregador pode pagar ao empregado. Esse valor é determinado pelo governo e sofre reajustes anuais. Podemos dizer apenas "mínimo". Exemplos: O salário mínimo é de R$ 937,00 em 2017. Eles recebem o três salários mínimos. É impossível viver com o mínimo no valor em que está.
Já salário-mínimo (substantivo composto) refere-se ao trabalhador que recebe o salário mínimo, conforme o Dicionário Houaiss e o Aulete Digital. Por extensão de sentido, é o trabalhador mal remunerado. Exemplo: Os salários-mínimos daquela empresa não serão demitidos. (Um exemplo fictício, porque não encontrei esse uso na mídia, já que há um sentido depreciativo que pode ser julgado como preconceituoso.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".