Pular para o conteúdo principal

"Oque" ou "o que"?

A segunda forma é a correta.
O que dizer da forma "oque"? Até agora não sei. Passei muitos meses olhando para esse rascunho de postagem sem saber o que dizer.
Que não existe? O quê? E isso lá é argumento? Existe sim, já vi escrito.
Que "o que" pode ser substituído por "aquilo que" – e nunca vai ser escrito "aquiloque". Será que assim ajuda?
Só criei essa postagem porque vi algumas pessoas escrevendo tudo junto... algumas vezes. Constatei: tem muita gente achando que é uma palavra só! :-O
O que acontece? Não sei.
Será que a gente fala e escreve tanto o que vem na cabeça, que soa como uma palavra só?
Ai, crise existencial.

Só nesse post, 6 vezes escrevi "o que". Sete. Que overdose de "o que". Oito.

Comentários

Italo Marquese disse…
Parabéns pelo texto, imensamente criativo.
Marcos disse…
Criativa, inteligente, didática e além de tudo isso, também é muito bonita, com todo respeito é claro. Obrigado pela elicidação.
Thiago Souza disse…
Muito bom, ajudou bastante!! só não sei O QUE faço pra seguir o seus passos!!!
Sueli Tanaka disse…
K legal!
O que ?
Eu sei que é que Legal,viu?
O que ? Vc sabia?
O!
Obrigada viu!
O que ? Não imaginava que eu ia agradecer?
Poxa Hein rsrs
Rodolfo Sa disse…
meu, essa frase é de+:
"Será que a gente fala e escreve tanto o que vem na cabeça, que soa como uma palavra só?"...
Nilson Juba disse…
Existencialismo? Ainda bem que venceu o egoísmo e resolveu ensinar sobre isso...hehehe
Bem criativo o texto, mas há alguns erros também: "Há muita gente" e não "...tem muita gente..." e "vem à/ para a cabeça" e não "...vem na cabeça...". ������

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

"Nada de mais" ou "nada demais"?

A primeira forma é a correta.Nada de mais, nada de menos. Não: nada "demenos". É preciso ficar com o "de": nada de interessante, nada de importante, nada de blablablá. O "de" não é de "demais". Demais é um advérbio que significa demasiadamente, em excesso, além da conta. Não parece fazer sentido: "Isso não é nada de em excesso". Já parece fazer sentido: "Isso não é nada de mais". Mais uma: Há a locução "por demais", que significa demasiadamente, excessivamente. Vale lembrar da frase exclamativa: Isso é demais! Nesse caso, é "demais", junto assim. Não temos aqui o "nada de". Temos aqui o "isso é". Isso é demais, é incrível, é complicado, é, às vezes, difícil de explicar.
Veja neste blog a diferença entre "demais" e "de mais".