Pular para o conteúdo principal

Puxão de orelha

O BOM DIA escorregou no português e o leitor puxou a orelha com razão.
Todos nós gostaríamos de ser isentos de erro, mas temos consciência de que somos falíveis. Não é por isso que vamos deixar de ler e reler várias vezes nossos textos à caça de erros.
Ler, reler e reler faz parte da escrita, ops, fazem.
A frase da merecida bronca foi: “E se os supermercados não darem sacolas?”. Darem? Não. Derem.
O tempo verbal dessa frase é o futuro do subjuntivo, que marca a eventualidade do futuro, o que pode ou não acontecer.
Ele é usado sobretudo em orações subordinadas adverbiais condicionais e temporais, neste caso com as conjunções “se” e “quando”.
O verbo “dar” na 3ª pessoa do plural do futuro do subjuntivo é “derem” – se eles derem. A pergunta que o BOM DIA deveria ter feito é: “E se os supermercados não derem sacolas?”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.